PALAVRAS AO VENTO


O círculo...
Ana Hatherly

O círculo é a forma eleita
É ovo, é zero.
É ciclo, é ciência.
Nele se inclui todo o mistério
E toda a sapiência.
É o que está feito,
Perfeito e determinado,
É o que principia
No que está acabado.
A viagem que o meu ser empreende
Começa em mim,
E fora de mim,
Ainda a mim se prende.
A senda mais perigosa.
Em nós se consumando,
Passando a existência
Mil círculos concêntricos
Desenhando.

 

Tudo tem começo, meio e fim, que significa um novo recomeço.

Quantas oportunidades temos para fazer diferente? Como reagimos ás mudanças bruscas?

Estou como uma criança, encantada com um novo brinquedo, me deram um novo bloco de desenhos e muitos lápis coloridos.

Estou assustando as pessoas com minha calma..rs E devo confessar que isto me diverte muito, porque esperavam uma reação enlouquecida e eu simplesmente, abri mão do que não me servia mais. E abrir mão significa que não sofro mais pelo que chegou ao fim. Foi vivido intensamente, mas não mais me pertence. Eu estava fora do contexto, como se eu fosse uma peça de quebra-cabeça que se dilatou e não se encaixa mais no seu lugar.

Dia 14 de abril, o dia da libertação!

Acordo de manhã e encontro um telegrama que foi colocado embaixo da minha porta, era da imobiliária. O dono quer o apartamento, tenho 30 dias para sair. Fiquei aliviada, serviu para me livrar de uma situação que estava me incomodando muito e tirando a minha paz de espírito.

Me arrumo e vou trabalhar, o superintendente me chama, depois de 9 anos trabalhando na mesma empresa, sou demitida. Mas foi numa boa, vou conseguir colocar minha vida financeira em ordem. Saio da empresa, me sentindo leve.

Infelizmente no dia seguinte recebo a notícia do falecimento do meu amigo, isto sim, foi um choque tremendo! Mas tenho certeza de que ele está em um bom lugar, acredito firmemente nisto.

E agora?

Estou aberta as possibilidades, pela primeira vez na vida, não sinto medo, não me sinto frágil.

Reconquistei minha paz de espírito e isto vale muito!

Vou acertar minha vida, começar de novo e estou feliz com esta possibilidade, não existe pesar ou tristeza.

O saldo positivo foi saber o quanto algumas pessoas admiram o meu trabalho, e as mensagens que eu recebi, me mostraram o carinho e a preocupação legítimas. Esta é minha herança.

Que se inicie o novo círculo, estou pronta.

 



Escrito por Kyra às 22h34
[ ] [ envie esta mensagem ]


Meu lindo amigo, você se foi e não houve tempo para despedidas.

Você que sempre foi uma pessoa linda por dentro e por fora, era o amigo para todos os momentos.

Jamais vou esquecer nossas brincadeiras, as lágrimas compartilhadas, o amparo nos momentos difíceis, a sua lealdade e carinho, seus momentos de braveza e acima de tudo o que vai ficar para sempre na memória de todos que te conheceram, será a sua generosidade.

Eu espero que onde quer que você esteja, que esteja amparado e cercado de muito amor e luz, luz igual a que você irradiava para todos que te conheciam.

Você realmente era um Lord. Até hoje ninguém sabe dizer quem te deu este apelido, mas era perfeito para você.

Sentirei saudades, mas guardarei em meu coração todos os momentos compartilhados e são muitos. Assim vou preencher o vazio que você vai deixar.

Muita luz e amor para você Dudu, que para sempre estará em meu coração.



Escrito por Kyra às 19h56
[ ] [ envie esta mensagem ]


Manifesto pelo direito igualitário ao surto
por Nina Lemos
Eu surto, sabia? Depois de um dia muito estressante de trabalho ás vezes eu fico meio louca. Sei que isso também acontece com você. Só que você bebe e fuma um baseado, que eu sei. O meu surto é um pouco diferente. Fico mal-humorada. Falo demais no telefone. Sou chata. Eu surto. Depois passa.

Se alguém combina uma coisa comigo e muda os planos, eu fico decepcionada. Se eu estiver surtada, fico mais decepcionada ainda. Aí eu não faço o que eu deveria fazer. Sim, na regra do mundo, uma mulher deve levar um bolo e aceitar isso placidamente. Olha, minha amiga, se você não fizer isso, o cara vai sair correndo de você, sabia? Então, é bom que você aprenda a fingir. Um bolo? Tudo bem, acontece, normal. Não perturbe o homem que pisou na bola. Senão ele não vai querer te ver de novo. É assim que a banda toca.

Não comigo. Mas assim os homens vão se espantar, diz meu amigo. Eu sei que vão. Mas espera aí. Se alguém me dá um bolo eu também me espanto com o cara. Eu também vou ter dúvidas do tipo: "Será que devo investir nele?".

Mas não adianta. Mulher não pode surtar. A gente tem que aturar tudo, porque sabe como é, falta homem no mercado e as moças estão todas com suas caras perfeitas, sorrindo ao levar um bolo, desculpando as babaquices alheias. Por que eles vão querer ficar com alguém que dá trabalho?

Se fossem menos covardes, iam querer. As melhores pessoas que eu conheço surtam. Todas elas. Meus amigos são as pessoas mais temperamentais que eu conheço. A gente até tenta melhorar, mas a gente é assim. E você também deve ser, sr Pretê. Mas você é homem, né? E segundo a hierarquia mundial, pode surtar à vontade. Pode ir embora da festa com cara de agoniado dizendo que está fora de controle. Eu vou perdoar. E todas as moças de sorrisos plácidos também.

Eu também vou continuar surtando. Surto porque a vida é dura, porque um dia eu vou morrer, porque eu trabalho muito, porque eu sou inteligente. Ou simplesmente porque eu surto. Só que eu não vou ter perdão. No mercado neo-liberal onde homens e mulheres convivem hoje é assim. Essa é a sua última chance, minha filha, aproveite. Uma pisada na boa e uma promessa de amor já era!

E você vai continuar fugindo. Tudo bem.

Surtos com direitos iguais. É essa a bandeira que eu estou levantando aqui.

Mas, meu deus, esse texto pode apavorar os homens! E agora? Será que depois de ler isso eles vão ficar com mais medo ainda de mim?

Problema meu. Eu que pague por ser uma socialista do surto.

E aí, vai encarar?


Escrito por Kyra às 00h24
[ ] [ envie esta mensagem ]


Gavetas

Pio Muniz Falcão


Minhas gavetas andam - um tanto cheias;
Tenho ímpetos de arrumá-las em seu conteúdo.

Da composição gosto.
Penso, sem motivo que me importune,
Que há nelas coisas em demasia
Mas, sempre que tento, nada elimino.

São coisinhas minhas...
Bilhetes... Cartas, lembranças de gente de que gosto!
Badulaques pequenos
Restos inteiros de coisas que nem sei de onde vieram...
Coisas que esperam o hiato;
Coisas minhas que me socorrem esperam e exigem tato;
Coisas inúteis que me fazem falta e exigem atos.

Atroz e mudo - calo.
Minhas gavetas são minha vida...
Acho que não dá para arrumar sozinho,
Não sei eliminar o lixo!
Não reconheço joio ou trigo.
Nas gavetas - nunca...



Escrito por Kyra às 20h18
[ ] [ envie esta mensagem ]

 
Meu perfil


BRASIL, Sudeste, Mulher, de 36 a 45 anos



Meu humor



Histórico
01/08/2007 a 31/08/2007
01/04/2005 a 30/04/2005
01/03/2005 a 31/03/2005
01/02/2005 a 28/02/2005
01/01/2005 a 31/01/2005
01/12/2004 a 31/12/2004
01/10/2004 a 31/10/2004
01/09/2004 a 30/09/2004
01/08/2004 a 31/08/2004
01/07/2004 a 31/07/2004
01/06/2004 a 30/06/2004
01/05/2004 a 31/05/2004
01/04/2004 a 30/04/2004




Votação
Dê uma nota para
meu blog



Outros sites
 Correndo atrás do vento...
 Loba, corpus et anima
 Retalhos e Pensamentos II
 Mulher de 30 e poucos...
 Mina do Kurt
 Depois dos vinte...
 Notas de um velho safado
 Pretensos Colóquios, por Dora Vilela
 Nanda
 Cantinho da Felicidade
 Antropofago Urbano
 TONY MACLAUD - O BOM CEARENSE
 Colcha de Retalhos
 Digressiva Maria
 Coisas de tio
 Botequim Poético
 Domínio Público
 Noites em Claro
 Fala Poética
 Sombras e Sonhos
 As Cartas de Elise
 Retalhos e Pensamentos
 Mudança de Ventos
 Verso Encadeado
 Segredos nada Secretos
 Big Friend
 Poesia & Cia
 TrumanBlog - Eterna Sinfonia da Vida Inacabada...
 Escondidas na Net
 Há vida depois dos 40
 A Idade da Loba
 O meu caminhar
 Procuro-me
 Ponto Gê
 Voz Activa
 Viagens da Alma
 Letras Diversas
 Figuras Hilárias
 Mar da Poesia
 No Olho do Furacão
 PsycoBlog
 Nonato Reis
 Essência Feminina
 Meu Porto
 Duas Palavras
 A Plataforma desta Estação ...
 Circulo Vicioso
 Cherry
 Espelho da Alma
 Lendo e Sonhando
 Molecca - Amor do Pietro
 Nano Costa
 Pra você que gosta de poesia
 Observações